Nota: ⭐⭐⭐⭐⭐

Autora: Ana Lúcia Merege

Leia O Castelo das Águias de graça pelo Unlimited

Um sentimento que define o fim da leitura do primeiro livro da série de Ana Lúcia Merege é surpresa. Digo, surpresa de verdade. Pelas personagens, pela história e pela maturidade da narrativa. Como eu não havia lido criticas antes de começar a leitura, eu não sabia que o que me esperava da primeira página para frente era uma aventura que você só se sente saciado ao virar a última página – ou nem assim!
*Essa leitura fez parte do Book Tour promovido pela Evan’s Assessoria

Tudo começa quando nossa protagonista, a Anna de Bryke, é chamada para ser professora da Escola de Magia, substituindo a antiga Mestra de Sagas do castelo. Seu objetivo? Ensinar aquilo que sempre te deu prazer, que foi conhecer as sagas de seu mundo e escrever as suas próprias. Porém, sua chegada no castelo é acompanhada por uma questão antiga que volta ao castelo de tempos em tempos: há gente mal intencionada de fora do castelo que quer tirar as sagradas águias guerreiras de lá para usá-las na guerra.

Por essas águias possuírem um pouco de magia no próprio sangue, isso as faz diferente de qualquer outra águia em outro lugar do mundo, mas também as faz mais delicadas em outros sentidos. E é procurando defender as águias que Anna se aproxima do misterioso – e grosso! – Kieran.

A história tem um toque de aventura mais sutil que outros livros de fantasia fantástica, mas ainda assim o ritmo permanece seguro e rápido, com exceção do inicio. Demorei um pouco pra deslanchar as primeiras 50 páginas, mas depois disso a leitura correu quase voando.

As cidades, religiões, Heróis – uma forma de deuses – e complexidades de Athelgard são apresentados pelo leitor aos poucos, enquanto a própria história avança. E, apesar do mundo encantar o leitor com seu funcionamento, não há nada mais cativante que a própria protagonista da história, a Anna.

Cá entre nós, sou dessas leitoras chatinhas mesmo. Caço entre os livros de fantasia uma boa personagem feminina principal. Há de verdade uma falha nesse ponto, principalmente porque a maioria dos livros de fantasia são escritos por homens. Mas Ana Lúcia conseguiu construir uma personagem forte, carinhosa, mas ainda assim preparada para fazer qualquer coisa para salvar sua própria vida e a vida de quem ama.

Ele ter sido narrado em primeira pessoa pela própria Anna só dá mais personalidade para a própria narrativa, e todas as informações novas sobre Athelgard teve um toque de descobrimento por parte de Anna também, e isso é maravilhoso. Resumo da ópera, quero uma Anna pra chamar de minha.

Um detalhe que acho importante é que esse é um daqueles livros de fantasia que serve para todas as idades. A narrativa, os personagens, tudo é construído de uma forma bastante madura, e atrai o público mais velho. A aventura e fantasia de Athelgard também cativa os mais jovens e faz desse livro um verdadeiro “livre para todos os públicos”.

Os próprios personagens secundários são bem construídos, no sentido de terem vida própria durante a história, mas algumas delas me incomodaram um pouco. Algumas dirigem um ódio cego à Anna desde o inicio, e o motivo não ficou tão claro para mim – seria a falta de sangue nobre de Anna? -, mas vi que isso fez a protagonista crescer em alguns momentos.

Quanto ao desenrolar da própria história, me decepcionei com o vilão. No inicio, há toda uma expectativa para uma grande batalha – não apenas física – mas no fim senti o vilão meio fraquinho. Ele vai perdendo força do meio para o fim do livro, e, quando o grand finale enfim chega, você já não teme tanto o poder do lado oposto e tem aquela certeza básica que tudo vai se resolver. Só por isso, o livro não pareceu perfeito para mim.

Mas ainda assim, era impossível largar o livro quando ele chegou em seus momentos finais. Mais impossível ainda é não começar o segundo livro da série – A Ilha dos Ossos – imediatamente após terminar o primeiro. Mas como o segundo livro é MARAVILHOSO é uma conversa para outra resenha. 💙

Leia O Castelo das Águias de graça pelo Unlimited

Um comentário em “Resenha | O Castelo das Águias (Ana Lúcia Merege)

  1. Obrigada, Naiane, fico muito feliz por você ter gostado! E ansiosa pela resenha de A Ilha dos Ossos… 🙂 Quanto ao Hillias, ele na verdade não é tão mau assim, é mais um cara oportunista, por isso de repente ele não se sai tão bem como um vilão a ser enfrentado em combate aberto. É mais da dissimulação. Aliás, ele reaparece no livro 3, viu? 😉

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s