Talvez um dia alguém consiga me convencer de que ser escritor é simplesmente pôr uma letra em frente à outra, até formar um livro. Para mim, o verdadeiro significado do verbete escritor é fazer o que a R. J. Palacio faz em Extraordinário, traduzindo em palavras mais do que expressão, mas também sentimento e autenticidade. Escrever é traduzir o real, dar vida às frases – e é isso que ela faz tão bem, ao trazer aos leitores seu protagonista extraordinário Auggie e todas as outras personagens que fazem parte da vida do jovem garoto.

     Mais do que um livro sobre uma história linear de luta e aventura rumo o sagrado, essa é uma obra sobre aprendizado e crescimento. Você não enxergará aqui a cura milagrosa de um garoto que sofre muito por causa de sua estranha doença, com o ainda mais estranho nome disostose bucomaxilofacial, muito menos a forma como ele transformou todos os seres humanos da sua cidade em seres sem preconceitos. Sem fantasia. Extraordinário é um livro que fala como o pequeno August Pullman aprendeu a conviver consigo mesmo e a enxergar-se como mais do que um jovem menino afetado por uma doença que, pela sorte invariável da genética, escolheu à ele entre milhões para afetar. É um livro sobre conquistas pessoais, amizades verdadeiras e sentimentos tão puros, vindos de crianças tão pequenas, que nos faz questionar a imaturidade dos mais novos (como se eu fosse velha, okay!).

       
         August é como um ser sozinho no mundo. Diferente de você ou eu, ele não é nem um pouco parecido, visualmente, com seus familiares de feições perfeitas em suas imperfeições. Não, ele não é bonito, mas é inteligente e maduro o suficiente para conviver com certa tranquilidade consigo mesmo, apesar de não se aceitar. Apesar disso, ele nunca chegou a frequentar uma escola regular e, quando sua mãe verbalizou sua vontade de enfim colocá-lo numa, ele simplesmente surtou. Não! Como ele conseguiria conviver com aquilo? Já não era o suficiente que as crianças, adultos e velhos desconhecidos apontassem para seu rosto nas vezes que precisava sair de casa?

          Mas é na escola que o universo abre-se ao alcance das mãos do pequeno Auggie. Mais do que matemática ou português, a escola dará uma verdadeira lição dde vida e aprendizado para o garoto. Lá ele enfrentará o ódio alheio aos diferentes, bullying, amizade, brigas… E é tão maravilhoso ver essas coisas sob o olhar de uma criança tão encantadora! E se encantar, como eu já disse milhares de vezes, é obrigatório para todos que decidirem ler Extraordinário. Você se encanta até por quem não deveria, vez ou outra.

         Um ponto especial, e talvez o que mais fez diferente durante toda a narrativa, foi a escolha da autora de alternar alguns capitulos com outras personagens. Ou seja, apesar da maioria dos capitulos ser narrado por Auggie, com o passar das páginas nós também enxergamos a história sob o ponto de vista da irmã do garoto e também do seu namorado, além de outras pessoas aqui e ali. E é realmente como se estivessemos conversando com pessoas diferentes durante a obra, de tão única que é a narrativa de cada personagem. A mais genial, se me permitem dizer, é a do namorado da irmã de Auggie. O modo como ela é escrita, sem letras maiusculas e, ás vezes, até sem pontos e virgulas, demonstra exatamente a personalidade confusa e meio morna dele (sem altos e baixos, apenas aquela calmaria acompanhada pelo fluxo constante de pensamento).

         Talvez eu já tenha falado demais, mas preciso concluir dizendo que, sim, o livro é tudo isso que você tem ouvido por ai – talvez seja até mais. Em questão de horas você já virou a última página de um breve pedaço da vida de Auggie, desejando do fundo do coração que tivesse mais. E se você quer ser escritor, pense bem nisso: escreva um livro que faça as pessoas desejarem continuar acompanhando a vida de cada uma de suas personagens. Se você conseguir fazer o que R.J. Palacio fez, está seguindo o caminho certo.

Autora: R.J. Palacio
Editora Intrínseca
318 páginas
Skoob
Nota 5/5 | 10
Submarino | Livraria Cultura | Saraiva | Fnac
Sinopse: Extraordinário – O livro conta a história de Auggie, um menino que nasceu com uma síndrome genética cuja sequela é uma severa deformidade facial. Em um manifesto em favor da gentileza, ele enfrenta uma missão nada fácil quando começa a frequentar a escola pela primeira vez: convencer os colegas de que, apesar da aparência incomum, ele é um menino igual a todos os outros.

2 comentários em “Resenha | Extraordinário (R.J. Palacio)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s