Saudações!
          A resenha de hoje demorou de sair, mas saiu! Ela vem com algumas poucas fotos, porquê a edição do livro está de parabéns. Com vários mapas, inclusive mapas coloridos, o livro é um luxo só! rs’

Autor: Guy Gavriel Kay
Editora Saída de Emergência Brasil
368 páginas
Nota 9

Sinopse: Tigana é uma obra rara e encantadora onde mito e magia se tornam reais e entram nas nossas vidas. Esta é a história de uma nação oprimida que luta para ser livre depois de cair nas mãos de conquistadores implacáveis. É a história de um povo tão amaldiçoado pelas negras feitiçarias do rei Brandin que o próprio nome da sua bela terra não pode ser lembrado ou pronunciado. Mas anos após a devastação da sua capital, um pequeno grupo de sobreviventes, liderado pelo príncipe Alessan, inicia uma cruzada perigosa para destronar os reis despóticos que governam a Península da Palma, numa tentativa de recuperar um nome banido: Tigana. Num mundo ricamente detalhado, onde impera a violência das paixões, este épico sublime sobre um povo determinado em alcançar os seus sonhos mudou para sempre as fronteiras da fantasia. 

Tigana é um livro difícil. Não nos termos óbvios, antes que você pense coisas erradas. Ele é difícil de ser julgado, e o bloqueio que sinto em traduzir em palavras o que senti durante a leitura… Bem, nem tente imaginá-la. O certo é que você sinta. E é por isso que começo essa resenha dizendo: leia. Se jogue na fantasia complexa que Guy Gavriel deu aos seus leitores. Leia, se jogue, e sinta, e então entenderá em parte o que eu disse ainda na primeira frase desse relato.

                Guy Gavriel construiu uma história de dor e destruição de uma nação em particular, oprimida por um tirano à ponto de seu nome não mais existir. Eis aqui Tigana, que, depois de dominada, passou a ser chamada de Baixa Corte. O Tirano, Brandin, tirou da face da Terra o nome Tigana, fazendo com que qualquer um que o ouvisse, e que não viesse dessa terra, não conseguisse entender o nome. No entanto, os orgulhosos sobreviventes de Tigana não perdem de sua memória como era a sua terra, e possuem a esperança de um dia tomar o que é deles de direito e quebrar o feitiço de Brandin, fazendo ressurgir o nome de sua amada nação. E é pra esse propósito que Alessan e seus companheiros caminham pelo mundo, buscando a oportunidade certa para agir.
                Isso não é passado para o leitor de vez. Desde o início, a história vai se explicando aos poucos, lentamente, como uma peça sendo costurada com esmero pelo artista. Se, inicialmente, ficamos confusos, essa sensação vai se perdendo com o passar das páginas e surgimento de novas informações, que vão montando o quebra-cabeça complexo do novo mundo criado por Guy Gavriel. Tão mágico e, ao mesmo tempo, tão humano, esse mundo de 2 luas e magos poderosos, também é um mundo de paixões humanas, dor, guerra e religiões com entidades complexas. Não é incomum, justamente por isso, que as primeiras páginas deixem o leitor atordoado de informações, até que ele se acostume e consiga visualizar aquele bolo gigantesco que o autor propõe.

                   
                Todo o livro é narrado em 3ª pessoa, a partir do ponto de vista de diversos personagens-chaves. Romances e surpresas se escondem em cada virar de página, pegando desprevenido muito leitor que achava que o autor não conseguiria mais surpreender. Bem, ele sempre tem uma carta nova na manga, que irá, ás vezes cruelmente, ligar os destinos de cada personagem que aparece. A história de cada um está unida por um fio, um propósito.
Fugindo da ideia de fantasia tolkiana, os personagens, aqui, não exercem papeis de “bons” ou “maus”. Todos são dolorosamente humanos, mesmo aqueles que apontamos o dedo acusador para chamar de tirano. Bem e mal se misturam, interagem, até que você não consegue mais dizer quem é quem. Isso cria um ritmo ainda mais real para um livro que, não se esqueça, é de fantasia, aventura, mitologias complexas e mágica. Principalmente mágica.

O maravilhoso do livro, com certeza, é a forma como as novas informações vão surpreendendo o leitor. Ver as peças se juntando pode ser assustador, mas tem uma beleza singular. Mesmo naqueles trechos monótonos, páginas e mais páginas de uma narrativa lenta e pesada, tal como a de Tolkien em Senhor dos Anéis, vemos a importância de certos detalhes. Se eu pudesse citar um defeito do livro, diria que ele também foi algo crucial para a construção geral da história, o que, sim, é muito confuso! Os capítulos do livro são gigantes, o que atrapalha um pouco o ritmo do livro, mas isso é acompanhado, também, por narrativas sob o ponto de vista de algumas personagens que são excessivamente repetitivas e… okay… monótonas.  Isso não é característica do livro como um todo, mas é algo presente em alguns capítulos em particular do livro, com foco em algumas personagens.
Mesmo com esse pequeno detalhe, que foi justamente o que me deixou em dúvida sobre o quanto eu amei o livro, a leitura é super recomendada. Se você gosta de explorar novos mundos, se jogar em aventuras épicas onde honra e esperança são as palavras-chaves, pode mergulhar em Tigana. Nele, você enxergará a importância da memória de um povo, e como o destino e as civilizações podem ser cruéis na dominação de uma cultura, apagando-a completamente do mundo. 

16 comentários em “Resenha | Tigana (Guy Gavriel Kay)

  1. Olá! 😀
    Sim, a SdE tá com lançamentos maravilhosos <33 Solicite mesmo o livro, não se arrependerá! Os personagens são o melhor de tudo *-*

    Seja bem vinda ao blog e volte sempre 😀
    Darei uma olhada no seu!
    Beijos :*

    Curtir

  2. Ainda não li este livro, mas acho o enredo bem interessante, adoro conhecer novos mundos e adorei sua resenha. Acho que é bem comum, em livros que se passam em outras épocas e lugares, o começo ser bem confuso, mas gostei de saber que isso vai melhorando ao decorrer da estória. Outro ponto positivo que me interessou, foi o fato de ser narrado em terceira pessoa e pelo ponto de vista de vários personagens, gosto disso pois nos permite conhecer o ponto de vista de cada um, aprofundando e entrando melhor na estória! Já coloquei este livro na minha lista! 🙂
    beijos ♥

    Curtir

  3. Oi, eu não sei se quero ler esse livro, ainda estou na duvida, vi que teve gente que não gostou dele, vou deixar mais para frente para me decidir quanto a isso, mas que bom que você gostou desse livro, adorei o fato de que ele tem mapas.
    Beijos!!!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s